7.18.2014

| e...



e, de repente, já é sexta-feira.
e, de repente, já é natal.
e, de repente, mais um ano passou...
e você ficou aí parado,
apenas querendo mudar a sua vida.

autor desconhecido

seis meses passaram desde o meu esgotamento. seis meses se passaram e, apesar da minha psicóloga me garantir que eu não estou a perder tempo, é assim que me sinto. sinto-me a perder tempo e eu não me posso conceder esse luxo.

para quem passou tanto tempo confinada a quatro paredes de dor, assim que consegue a liberdade, a urgência é grande, enorme, do tamanho do mundo. e eu tenho pressa, muita pressa. por isso, estar parada, independentemente do período de tempo, para mim, é perder um tempo que não sei se tenho.

[porque ninguém sabe...]
e isso, assusta-me.



1 comentário:

Helga Piçarra disse...

Como escreveu Miguel Gameiro... o tempo não pára, o tempo é coisa rara...

Mas apesar disso, não podemos correr contra ele, mas sim caminhar lado a lado, ao nosso ritmo...

Um grande beijinho :)

PS: Desconhecia este cantinho, mas já sou fã :D