5.25.2014

| pausa. porque a vida é para ser vivida. todos os dias.


independentemente da necessidade de me entregar 200%, a este novo projecto que adoro, a vida ensinou-me que as pausas são, de igual modo, necessárias.

sou totalmente obcecada pelo trabalho. a minha vida sempre se regeu pelos objectivos da empresa para a qual trabalhava. eu não "vestia a camisola": eu "vestia o figurino" todo. e sempre tive muito orgulho disso.

vivia deslumbrada com a vida que levava, com a constante pressão para alcançar objectivos, com a ideia que conseguia fazer tudo... não obstante, olhando de outra perspectiva, comparo esse deslumbramento com uma adicção. não vivia dependente de estupefacientes... vivia, contudo, dependente da adrenalina, completamente adicta ao trabalho.

sem me aperceber, desenvolvia expectativas irreais, sacrificando todas as outras áreas da minha vida. como não via mais nada, para além do trabalho, a minha vida social, a semelhança da vida familiar, ressentia-se. simplesmente, não tinha tempo... e, sinceramente, também não sentia qualquer necessidade de afectos ou emoções. porque o trabalho supria todas as minhas necessidades.

tive o meu primeiro esgotamento em 2002 mas, como não aprendi a lição, voltei a ter um segundo esgotamento, por volta de 2010. não havendo duas sem três, no final do ano passado, passei pelo pior esgotamento de todos. o excesso de trabalho, as poucas horas de sono, a falta de descanso e os maus hábitos alimentares associados, tiveram as suas consequências.

síndrome de burnout, nome pomposo mas sem pompa nenhuma. foi muito difícil regressar ao "normal". o meu organismo necessitou mais de cinco meses para se recompor.

hoje, já começo a sentir-me melhor e com mais força... ainda com algumas sequelas, é verdade. o que importa, agora, é que a lição foi, finalmente, aprendida.

sinto-me preparada para este novo projecto. de novo, deslumbrada, sim... mas com prudência. muita prudência.

palavras-chave: moderação




Sem comentários: